Usamos cookies para lhe fornecer a melhor experiência possível no nosso website, Ao continuar a navegar neste site, você autoriza o uso de cookies. Para mais detalhes, incluindo sobre como mudar as suas preferências, por favor leia a nossa Política Privacidade.
Mais info Aceitar

​QE | Tudo Sobre Quantitative Easing [Flexibilização Quantitativa]

Março 18, 2020 17:24 UTC
Tempo de leitura: 25 minutos

A crise económica e de saúde causada pela pandemia do coronavírus trouxe consigo, até aos dias de hoje, o QE, ou Quantitative Easing - em português, flexibilização quantitativa -. Apesar de ter sido um termo recorrente nos últimos anos, poucas pessoas entendem exatamente em que consiste este programa de estímulo, apesar de ser uma das medidas mais importantes adotadas pelo Banco Central Europeu (BCE), bem como pela Reserva Federal (FED) na sua história mais recente para lidar com a crise do euro.

Quantitative Easing - Flexibilização Quantitativa

Neste artigo, responderemos às seguintes questões:

  • O que é QE? O que é flexibilização quantitativa?
  • Em que consiste o novo QE FED? O que fará o BCE?
  • Em que consiste o Quantitative Easing?
  • Porque é que os bancos centrais usam este sistema?
  • Como é que isto se reflete na economia? O QE do BCE

QE | O Que é Quantitative Easing? O Que é Flexibilização Quantitativa?

Antes de chegarmos à definição de flexibilização quantitativa de uma forma mais aprofundada, iremos primeiro analisar algumas questões básicas relacionadas com o funcionamento das economias. Para uma economia crescer é necessário:

  • Aumentar a sua capacidade de produção
  • Melhorar a sua base tecnológica
  • Que o dinheiro circule com fluidez

Desta forma, o objetivo da flexibilização quantitativa é, basicamente, ajudar na circulação contínua do dinheiro numa conjuntura de desaceleração. É um programa para estimular os investimentos, os gastos e o consumo, oferecendo assim facilidades para aceder a um crédito mais barato.

O QE ou Quantitative Easing é uma política monetária agressiva na qual os bancos centrais compram grandes quantidades de ativos financeiros, na tentativa de estimular a economia "injetando" dinheiro diretamente no mercado.

Um banco central pode comprar ativos financeiros e títulos do governo ou títulos corporativos. Estas compras aumentam as reservas dos bancos que, por sua vez, podem conceder mais empréstimos. Desta maneira, conseguem-se dois efeitos, que são alcançados ao mesmo tempo: redução das taxas de juros e aumento da quantidade de dinheiro no sistema. Os efeitos colaterais são positivos pois, em teoria, o consumo aumenta e mais empregos são criados.

O QE ou flexibilização quantitativa pode assumir várias formas, dependendo dos ativos que o banco central compra, a quem são comprados e em que quantidades.

Quantitative Easing - Crise Económica

Graças às políticas das taxa de juros do banco central, as economias podem crescer rapidamente num curto período de tempo e em grandes proporções. No entanto, devido à natureza do seu funcionamento, estas economias exigem que a circulação de dinheiro seja mantida ao longo do tempo, algo que não é fácil.

O que acontece quando as pessoas ou empresas não se sentem mais seguras com os empréstimos de dinheiro? A circulação de capital é reduzida: os gastos públicos diminuem, a procura por bens e serviços também diminui, a expansão dos negócios diminui, as empresas reduzem a sua produção e demitem parte de seus trabalhadores que tentam adaptar-se às novas condições do mercado.

Toda esta cadeia leva a:

  • Aumento do desemprego
  • Redução da renda familiar
  • Menos consumo pelas famílias
  • Assim sucessivamente, numa espiral descendente.

O que acontece quando os bancos não se sentem seguros o suficiente para emprestar dinheiro ao seus clientes, sejam eles particulares ou empresas? A resposta é a mesma que explicada anteriormente, a circulação de dinheiro pára.

Neste contexto, se os indivíduos particulares e as empresas pararem de pagar os seus empréstimos porque não têm condições para o fazer, as instituições financeiras podem falir, como aconteceu com a Lehman Brothers à mais de uma década atrás. Essa situação é agravada quando os cidadãos se dirigem às instituições pata levantarem todo o seu dinheiro das contas do banco, com receio da falta de liquidez.

Como foi demonstrado ao longo dos anos, o comportamento do investidor é altamente contagioso e fácil de assustar. Verificamos isto através da crise do coronavírus, que causou o pânico nos mercados de ações e originou o seu colapso geral.

Antes que chegue o momento das pessoas fazerem levantamentos em massa de dinheiro dos bancos, para mantê-lo "debaixo do colchão", o banco central deve intervir para impedir uma recessão e incentivar novamente a oferta de dinheiro através das taxas de juros. Dessa forma, poderá dar-se a volta à situação. Se os bancos privados se sentirem seguros novamente, irão retomar a sua política de empréstimos a indivíduos particulares e empresas, originando assim, mais uma vez, a circulação de capital.

Mas, o que acontece quando as taxas de juros já estão próximas de 0% e não podem ser mais reduzidas? É aqui que entra em jogo a flexibilização quantitativa, ou QE (Quantitative Easing).

Explicação Quantitative easing

QE | Flexibilização Quantitativa - Origem

A flexibilização quantitativa é um conceito relativamente moderno que foi usado pela primeira vez por um economista alemão que residia no Japão nos anos 90. O professor Richard Werner entendeu que a maior quantidade de dinheiro na economia não vem do banco central, mas sim dos bancos privados que aplicam o multiplicador de dinheiro (taxa de juros) ao fazer os seus empréstimos. Desde então, defendeu a ideia de que o banco central não precisava comprar tanta dívida pública, mas sim adquirir agressivamente os ativos de longo prazo dos bancos privados.

Em 2001, o Banco do Japão adotou uma nova política monetária agressiva, denominada Quantitative Easing, mas que seguiu o caminho oposto ao sugerido por Werner, uma vez que consistia numa compra massiva de dívida pública. Este modelo mostrou-se inútil, pois não serviu para terminar um período deflacionário de mais de uma década e possivelmente originou apenas um segundo período deflacionário ainda maior.

Em 2009, o Banco de Inglaterra introduziu a sua própria versão da flexibilização quantitativa, enquanto reduzia as taxas de juros para potenciar o efeito. No entanto, esta tentativa falhou novamente. O que o Reino Unido fez foi injetar dinheiro diretamente na economia através dos bancos privados, como sugeriu Werner, mas isto não estimulou os empréstimos, estimulou apenas o comércio financeiro e a libra, não deixando nada para a economia britânica, que era o que fazia parte do plano inicial.

Em 2014, o Banco de Inglaterra teria impresso cerca de 410 triliões de libras e, embora a economia britânica mostrasse sinais de recuperação, a inflação caiu muito abaixo do nível projetado de 2%, marcando o mínimo de 0,0% de ameaça de deflação. Isto foi exatamente o oposto do que se pretendia inicialmente.

No final de 2008, a Reserva Federal dos EUA iniciou o seu conhecido plano, Quantitative Easing, sendo até agora, e de longe o mais ambicioso programa de flexibilização quantitativa. Basicamente, a sua ideia era comprar o maior número possível de ativos financeiros em todo o mundo. Começou pelos ativos mais baratos e os inúmeros empréstimos hipotecários que saturavam o mercado, pois ninguém os queria. Estes empréstimos incluem as chamadas hipotecas subprime que provocaram a crise financeira global em 2008.

QE FED

Fonte: Banco da Reserva Federal de St. Louis. A imagem mostra a evolução histórica da "taxa de fundos federais" - a taxa de juros que os bancos cobram quando emprestam dinheiro - até Março de 2020.

O resultado deste plano foi uma injeção de US $ 3,7 triliões na economia dos EUA, que se espalharam pela economia mundial nos cinco anos seguintes.

Até agora, este foi considerado por muitos economistas o único esquema de QE que obteve sucesso, embora tenha sido constantemente criticado por fontes económicas não governamentais. No entanto, em termos hospitalares, pode-se dizer que esse plano permitiu que a economia dos EUA passasse de terapia intensiva para unidade de recuperação.

Mais recentemente, em 2018, o FED iniciou uma política de graduais aumentos nas taxas de juros e depois re-aprovou reduções a partir do início de 2019, entre outras razões, devido à pressão de Donald Trump, que está interessado num dólar mais barato para favorecer as exportações em plena guerra comercial.

QE | Quantitative Easing FED 2020 - Resposta à Crise do Coronavírus

A pandemia de coronavírus que paralisou a atividade económica em grande parte do mundo, levou os principais bancos centrais a coordenar uma resposta à recessão iminente que todos já consideram certa. Domingo, 15 de Março de 2020 será uma nova data a ser lembrada na história: o dia em que a Reserva Federal, em coordenação com as suas entidades equivalentes da UE, Suíça, Japão, Canadá e Reino Unido, anunciou o maior pacote de estímulos desde a crise financeira, para minimizar os efeitos da pandemia.

O novo QE compreende as seguintes decisões:

  • Uma redução drástica nas taxas de juros para um intervalo de 0-0,25%, de 1-1,25%.
  • A compra de ativos no valor de 700 bilhões de dólares. Nos próximos meses, o Fed comprará US $ 500 biliões em títulos do Tesouro e US $ 200 biliões em ativos garantidos por hipotecas.
  • O Fed e os outros bancos centrais concordaram em reduzir os preços das suas linhas de swap para facilitar o fornecimento de dólares às instituições financeiras.

Estas medidas, no entanto, não tiveram o efeito esperado nas bolsas de valores, que responderam com mais quedas e continuam sem qualquer reação. O título de 10 anos dos EUA tornou-se novamente num refúgio com uma ligeira queda na sua rentabilidade.

No mercado de Forex, a volatilidade foi a tendência dominante. Os investidores puniram o dólar, pois o euro apontava para ganhos no primeiro dia após o lançamento das medidas. Vejamos o gráfico EURUSD :

QE FED

Fonte: Admiral Markets MetaTrader 5 Supreme Edition. Gráfico H1 EURUSD. Intervalo de dados 13 de Março de 2020 - 16 de Março de 2020. Elaborado a 16 de Março de 2020. Observe que os lucros do passado não garantem retornos futuros.

Como podemos ver no gráfico, entre o fecho de sexta-feira, 13 de Março e a abertura de segunda-feira, 16 de Março, houve um enorme gap e nas horas seguintes uma grande volatilidade. Teremos que esperar pelos próximos dias e estar muito atentos ao desenrolar de todos os acontecimentos com cautela e paciência.

QE | Flexibilização Quantitativa - BCE 2015

Em 2015, a zona do euro entrou num programa próprio de Quantitative Easing, na tentativa de aumentar a economia da UE. A política de flexibilização quantitativa do BCE começou com um "modesto" trilião de dólares - modesto em comparação com o tamanho da sua economia -.

A ideia do Banco Central Europeu era bastante semelhante à da Reserva Federal dos EUA, já que o QE envolvia a compra de ativos financeiros, incluindo a dívida pública dos estados membros da Zona Euro, bem como os ativos das agências e instituições. Esse plano estabeleceu uma taxa de inflação anual de 2%, igual à dos demais países que aplicaram o QE.

Comece a Negociar com a Admiral Markets


QE | Flexibilização Quantitativa - Críticas

A Flexibilização Quantitativa não deixa de ter os seus críticos. Por um lado, alguns argumentam que o investimento improdutivo é, por natureza, em última instância, deflacionário. Por isso, consideram que "despejar dinheiro" em bancos privados não é eficaz, pois estes utilizam-no nos mercados financeiros e não o utilizam para conceder empréstimos à população, sendo desta forma uma manobra ineficaz.

Por outro lado, outro conjunto de especialistas financeiros destaca que as políticas monetárias agressivas, como a flexibilização quantitativa, conseguem retirar as economias dos seus ciclos de negócios, suavizando a recessão, de modo a que os bancos centrais também consigam suavizar o boom económico pós-recessão.

O Banco de Compensações Internacionais (o banco central dos bancos centrais), apesar de se manter imparcial e observar os bancos centrais nacionais, alertou que o mundo se tornou muito dependente dos estímulos económicos. A Alemanha afirmou que a flexibilização quantitativa "ajudou" certas economias a realizar as suas reformas financeiras, como por exemplo a Itália.

QE | Flexibilização Quantitativa - Forex

Basicamente, existem duas reações principais no mercado Forex após a aplicação destas políticas de estímulo:

  • O pico ou spike instantâneo quando as notícias são divulgadas.
  • O eventual reajuste de preços que começa realmente a influenciar o mercado após a aplicação desta medida.

Então, o que acontece quando o QE é anunciado? O que acontece quando este é aplicado ao mercado? Em teoria, a resposta em ambos os casos seria causar a fraqueza numa moeda, pois com esta política, adicionamos mais moeda em circulação.

No entanto, a verdade é que o anúncio do QE pelo BCE fez com que o EUR / USD caísse 500 pips nos dois dias seguintes, mas a partir desse momento a queda parou, como podemos ver no gráfico a seguir:

Quantitative Easing

Fonte: MetaTrader 5. D1 EUR / USD 22 de Janeiro de 2015. Gráfico elaborado a Setembro de 2019.

Por sua vez, o Reino Unido anunciou a flexibilização quantitativa em Março de 2009. O GBP / USD caiu 600 pontos no espaço de duas semanas, mas recuperou-se nos quatro meses seguintes, permanecendo na mesma faixa de preço durante o resto do ano.

Quantitative Easing

Fonte: MetaTrader 5. W1 GBP / USD março de 2009. Gráfico elaborado em setembro de 2019.

Os EUA anunciaram a primeira ronda de flexibilização quantitativa em Dezembro de 2008 e, na semana seguinte, o EUR / USD ganhou 2.000 pips para finalmente retomar ao seu nível original no mês seguinte, crescendo constantemente por meio ano, para entrar na faixa de preços.

Quantitative Easing

Fonte: MetaTrader 5. D1 EUR / USD Dezembro de 2008. Gráfico elaborado a Setembro de 2019.

O dólar perdeu valor ao longo desta jornada até 2011 e tem vindo a valorizar-se pouco a pouco desde então. Por sua vez, o Japão iniciou uma nova ronda de flexibilização quantitativa em Abril de 2013, fazendo com que a moeda do país do sol nascente depreciasse 900 pips em relação ao dólar americano.

No entanto, a taxa de câmbio entre estes pares de moedas estabilizou-se no seguinte ano e meio. Em resumo, a primeira reação é afundar a moeda inflacionada, mas com o tempo ela voltará a valorizar. Até agora, estatisticamente falando, o Quantitative Easing mostrou-se deflacionário por natureza, no mercado Forex.

QE | Flexibilização Quantitativa - Crescimento Económico

Basicamente, existem dois tipos de economias:

  • Economias em desenvolvimento
  • Economias desenvolvidas

Em ambos os casos, elas precisam crescer a uma taxa mais ou menos constante. Se uma economia pára de crescer ou mesmo se a sua taxa de crescimento diminui, entra numa zona de estagnação ou mesmo recessão. Isto é muito importante, por isso vale a pena repetir:

"A menos que a economia cresça a um ritmo constante ou crescente, entraremos em recessão"

A principal diferença entre economias em desenvolvimento e desenvolvidas está na taxa de crescimento. Economias desenvolvidas, como a dos EUA, Reino Unido, Japão e Alemanha, consideram um aumento de 2% no PIB anual como um crescimento aceitável.

Por outro lado, economias em desenvolvimento como as dos países BRIC (Brasil, Rússia, Índia, China) são consideradas em boa forma, quando crescem em torno de 6 a 8% do PIB anualmente.

Vamos fazer um exercício simples para entender facilmente em que consiste o QE:

Imagine que você faz parte de governo num país promissor. O que você precisa? Duas coisas:

  • Aumentar a produção

Um país precisa de produzir mais para atender à crescente procura da população. Isto pode ser efetuado de duas maneiras diferentes:

- Aumentando o número de trabalhadores

- Aumentando a sua eficiência

Por exemplo, um único agricultor trabalha a sua terra com um arado. Bom para ele, mas a economia poderia fazer muito melhor. Como membro do governo, você pode investir parte do orçamento do governo e fazer crescer a agricultura centenas de vezes, mas como? Empregar 99 outros homens com os seus arados ou usar uma máquina escavadora para fazer o trabalho desses 100 homens com os seus arados.

É importante observar que você irá precisar de treinar os trabalhadores para que os mesmos aprendam a usar a máquina escavadora.

Neste sentido, há algumas coisas que devem ser lembradas:

  1. A produção na sua pequena economia em crescimento aumentou, mas, para continuar a mover-se a um ritmo constante, é necessário continuar a adicionar máquinas ou adicionar homens com arados a um ritmo cada vez maior.
  2. A adição de trabalhadores é geralmente a opção principal no desenvolvimento das economias, uma vez que elas têm um grande número de pessoas pouco qualificadas, o que acontece em países como a Índia ou a China, por exemplo.

Por outro lado, em economias desenvolvidas como os EUA ou a Alemanha, que são caracterizadas por baixas taxas de crescimento populacional e pelos seus altos níveis educacionais e tecnológicos, preferem fornecer máquinas. Como você pode ver, o desenvolvimento de uma economia madura num país já desenvolvido passa por um constante avanço tecnológico, sendo esta a sua única oportunidade de aumentar a produção para a velocidade desejada. Também é necessário ter em mente que as terras agrícolas de um país desenvolvido são um recurso limitado, assim como seu rendimento agrícola. Dessa forma, para apoiar o crescimento do seu poder de produção, eles irão precisar de novos avanços tecnológicos, máquinas, fertilizantes, plantas geneticamente modificadas etc.

  • Desenvolver um sistema financeiro

A economia cresce e a necessidade de dinheiro cresce porque, independentemente da maneira que apoiamos o crescimento, é necessário dinheiro para começar a trabalhar e melhorar o nosso desempenho.

Isso significa que o financiamento da nossa economia deve crescer a uma taxa cada vez maior. Agora, enfrentamos um problema: onde conseguimos o dinheiro necessário para que a nossa economia cresça a um ritmo mais rápido? Pode criar um sistema bancário com um grande banco central nacional no comando de uma rede de bancos privados menores. Depois de o sistema bancário ser criado, pode pegar num pedaço de papel, inserir uma marca d'água e escrever:

DEVO-TE DINHEIRO

Desta forma, é criado dinheiro e dívida de forma simultânea, e pode fazê-lo uma e outra vez. Agora, vamos esquecer a dívida por um momento e vamos focar-nos no financiamento do seu crescimento económico com o dinheiro recém-criado. Parabéns, você acabou de criar um título do governo (= uma unidade da dívida nacional). O próximo passo é organizar um leilão para o qual convidaremos os bancos a comprar os nossos títulos. Os bancos podem comprar esta dívida e mantê-la até que consiga pagar tudo, ou podem ir ao banco central e trocar o título por dinheiro real.

A armadilha da criação de dinheiro!

Tenha cuidado: quanto mais dinheiro é criado, mais dinheiro se encontra em circulação e, dessa forma, menos valor tem, é o princípio da oferta e da procura. O processo de aumentar a oferta de moeda na sua economia é o que se chama de inflação.

Por isso, se deseja que a economia continue a crescer, o nosso banco central deve continuar a imprimir dinheiro, mas a uma taxa que não seja nem muito rápida nem muito lenta. Geralmente, as diferentes economias tentam manter a inflação num nível ideal para o seu crescimento. Habitualmente, este nível está entre 2% e 5% ao ano. A deflação é considerada abaixo da meta de 2%, o que é perigoso, pois pode retardar o crescimento económico e originar uma crise.

Inflação

Fonte: Eurostat e Cálculos do BCE

Este é um ponto importante a ser recordado, pois, se não houver dinheiro suficiente em circulação para os cidadãos pagarem pelos produtos que a economia produz, as empresas serão forçadas a fazer ajustes, a produção diminuirá e num piscar de olhos 30% da população pode estar desempregada. Isto tudo porque a oferta monetária diminuiu, mesmo que seja apenas uma pequena percentagem.

Como acabamos de ver, a inflação baixa é má, mas o que acontece quando a inflação é muito alta? Qualquer inflação acima de 7% a 10% é chamada hiperinflação e isto também é muito perigoso, porque anuncia outro tipo de crise. É a crise gerada pela criação de dinheiro em demasia: irá chegar um momento em que terá muito dinheiro, mas não conseguirá comprar muitas coisas porque os preços também irão aumentar à medida que o dinheiro vai perdendo o seu valor. A hiperinflação na República de Weimar, em 1921, tornou o dinheiro emitido pelo Bundesbank tão inútil que os alemães acabaram por queimar notas nos seus fogões para atravessar o inverno rigoroso.

Depois de calcular uma taxa de inflação ideal para a sua economia, você terá que estabelecer uma meta para o seu banco central. Por outras palavras, se quisermos uma inflação anual de 3%, o banco central terá que encontrar o equilíbrio para alcançá-lo. Para fazer isso, pode usar vários mecanismos:

  • Emprestar dinheiro ao governo para que este possa ser investido em infra-estruturas, por exemplo, na construção de estradas.
  • Empreste dinheiro a bancos comerciais para que estes possam emprestá-lo a clientes, particulares ou empresas, para que o dinheiro circule através deles.

A segunda opção é a mais difícil de controlar, porque os bancos privados têm os seus próprios interesses económicos e, se não puderem obter benefícios com esta operação, não irão ao banco central solicitar empréstimos. Da mesma forma, se os bancos não encontrarem clientes para emprestar o seu dinheiro, ou negócios lucrativos, a operação também não os irá compensar, o que origina um entrave à circulação de dinheiro.

Perante este dilema, o que é que o seu banco central pode implementar para fazer com que as instituições financeiras emprestem dinheiro? A resposta é simples: modificando as taxas de juros. Ao reduzir as taxas de juros significa que é possível conseguir empréstimos mais baratos para os bancos e, desta forma, consegue-se uma margem maior para obter benefícios quando os emprestam a seus clientes.

Taxas de juro baixas = Mais empréstimos = Mais inflação

Taxas de juro altas = Menos empréstimos = Menos inflação

Portanto, os bancos privados são um componente fundamental no fornecimento de dinheiro na economia. Se o banco central pode adicionar dinheiro à economia, os bancos privados podem multiplicar o dinheiro em circulação através de um sistema chamado "banco de reservas fracionárias", que consiste em bancos que detêm apenas uma fração dos fundos dos seus clientes.

Vamos colocar um exemplo para que consiga perceber de forma mais clara:

  1. O José vai ao banco e abre uma conta com um depósito inicial de € 100. Graças ao sistema de reservas fracionárias, o banco pode agora emprestar € 90 do dinheiro inserido por José, pois ele só precisa de manter 10% na reserva.
  2. O Jaime quer obter um empréstimo de € 90 para pagar uma aposta que perdeu com Sérgio. O banco empresta-lhe o dinheiro inserido por José.
  3. O Sérgio cobra a dívida ao seu amigo e decide guardar esse dinheiro na sua conta bancária, por isso realiza um depósito de € 90. O banco agora possui 90% desse dinheiro, ou seja, 81 euros, que pode usar para emprestar ao próximo cliente que precise de um empréstimo, por exemplo, o Marco.

Do ponto de vista da entidade, nas suas demonstrações financeiras consta:

  • José tem € 100 na conta
  • Sergio tem 90 € na conta
  • Marco tem € 81 no seu bolso

No total, € 271, mas realmente o banco só tem € 100 reais. É assim que o dinheiro é multiplicado pelos bancos privados através dos empréstimos.

QE | Quantitative Easing - Sistema Bancário

Apesar do sistema bancário conseguir influenciar a oferta de moeda, apenas a melhoria das condições económicas pode aumentar a procura pela mesma. No exemplo anterior, o Jaime precisa de se deslocar ao banco para solicitar o empréstimo, e o banco, por sua vez, precisa pedir o dinheiro emprestado ao banco central.

No entanto, indivíduos, empresas e bancos só irão pedir dinheiro emprestado se souberem que o podem pagar de volta. Desta forma, somente perante um ambiente económico seguro e estável, o governo poderá influenciar a procura por dinheiro. Uma queda na procura significa menos dinheiro em circulação do que uma economia em crescimento exige.

O fim da flexibilização quantitativa

No final de 2018, o Banco Central Europeu decidiu encerrar o apoio monetário a instituições financeiras da zona euro. Paralelamente a isto, manteve a sua política de baixas taxas de juros. A questão que se coloca é se esta seria a hora certa. A economia está a mostrar sinais de desaceleração, com fatores que a agravam, como a guerra comercial entre os EUA e a China, o Brexit, etc. Foi precisamente este contexto, que levou o BCE a considerar novas políticas de estímulo e novos cortes nas suas taxas.

QE | Flexibilização Quantitativa - Conclusão

Os efeitos da flexibilização quantitativa sobre as economias ainda estão a ser analisados hoje, ainda sem uma conclusão definitiva e consensual, já que, como vimos, a reação foi diferente em cada caso.

Na maioria dos países onde foram feitas tentativas para implementar qualquer tipo de QE, existiu efeitos sobre a inflação, com uma queda que por vezes levou à deflação. As economias mais maduras conseguiram recuperar as suas indústrias em colapso, mas o dinheiro criado atravessou as fronteiras, criando grandes bolhas económicas nos países em desenvolvimento.

Confira todos os produtos que pode negociar através da Admiral Markets, clique no banner seguinte e descubra as nossas ofertas:

comparar as ofertas admiral markets

Aprender Trading

Sobre a Admiral Markets

Sendo um broker regulado, fornecemos acesso a algumas das plataformas de trading mais utilizadas no mundo. Você pode negociar connosco CFDs, ações e ETFs.

Aviso: Os dados fornecidos fornecem informações adicionais sobre todas as análises, estimativas, prognósticos, previsões ou outras avaliações ou informações similares (doravante "Análise") publicadas no site da Admiral Markets. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, preste muita atenção ao seguinte:

  1. Esta é uma comunicação de marketing. A análise é publicada por motivos informativos apenas e não é construída sob a forma de aconselhamento ou recomendação de investimento. Não foi elaborado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento, e que não está sujeito a qualquer proibição de lidar com a disseminação da pesquisa de investimento.
  2. Qualquer decisão de investimento é tomada por cada cliente, enquanto a Admiral Markets não será responsável por qualquer perda ou dano decorrente de tal decisão, com ou sem base na Análise.
  3. Cada uma das Análises é preparada por um analista independente (Saulius Radžiūnas, Trader Profissional e Analista) com base em estimativas pessoais.
  4. Para garantir que os interesses dos clientes sejam protegidos e a objetividade da Análise não seria prejudicada, a Admiral Markets estabeleceu procedimentos internos relevantes para a prevenção e gestão de conflitos de interesse.
  5. Embora todos os esforços razoáveis sejam envidados para garantir que todas as fontes da Análise sejam fiáveis e que todas as informações sejam apresentadas, tanto quanto possível, de uma forma compreensível, oportuna, precisa e completa, a Admiral Markets não garante a exatidão ou integridade de qualquer Análise ou informações contidas na Análise. Os números apresentados referem que qualquer desempenho passado não é um indicador confiável de resultados futuros.
  6. O conteúdo da Análise não deve ser interpretado como uma promessa expressa ou implícita, garantia ou implicação por parte da Admiral Markets de que o cliente lucrará com as estratégias aqui contidas ou que as perdas em relação a elas serão limitadas.
  7. Qualquer tipo de desempenho prévio ou modelado de instrumentos financeiros indicados na publicação não deve ser interpretado como uma promessa expressa ou implícita, garantia ou implicação da Admiral Markets para qualquer desempenho futuro. O valor do instrumento financeiro pode aumentar e diminuir e a preservação do valor do ativo não é garantida.
  8. As projeções incluídas na Análise podem estar sujeitas a taxas adicionais, impostos ou outros encargos, dependendo do assunto da Publicação. A lista de preços aplicável aos serviços prestados pela Admiral Markets está disponível publicamente no site da Admiral Markets.
  9. Produtos alavancados (incluindo contratos por diferença) são de natureza especulativa e podem resultar em perdas ou lucros. Antes de começar a negociar, certifique-se de que compreende todos os riscos.


CFDs são instrumentos complexos e acarretam um elevado risco de perder dinheiro rapidamente devido à alavancagem.