Oferta Pública Inicial: O que saber?

Setembro 01, 2023 03:18

Se tem lido as notícias nas últimas semanas, pode ter lido sobre a próxima IPO de uma empresa designer de chips chamada Arm. Mas o que é uma IPO? Por que motivo as empresas as realizam? E qual é o problema desta em particular?

O que é uma IPO?

Uma oferta pública inicial (IPO) é um processo pelo qual uma empresa privada emite novas ações para vender ao público (no mercado) e, ao fazê-lo, torna-se uma empresa pública (cotada em bolsa).

Depois de abrir o capital, as ações de uma empresa são listadas na bolsa de valores, como a Bolsa de Valores de Londres ou a Bolsa de Valores de Nova Iorque, onde podem ser trocadas entre compradores e vendedores durante todo o dia de trading.

Embora tenha sido tradicionalmente a via mais popular para abrir o capital, não é o único método disponível. Outros métodos incluem abrir o capital usando uma Empresa de Aquisição de Propósito Específico (SPAC) ou uma listagem direta, ambas as quais ganharam cada vez mais força nos últimos anos.

Porquê abrir o capital através de uma IPO?

O principal benefício e motivo para abrir o capital através de uma IPO é o capital. Ao emitir novas ações e vendê-las ao público, uma empresa pode levantar uma quantidade substancial de capital, que pode então utilizar para alimentar o crescimento futuro, pagar dívidas ou financiar um novo projeto. Tornar-se público também permite que uma empresa levante capital adicional no futuro através de uma oferta secundária.

Além disso, muitas vezes, as IPOs são rodeadas por uma quantidade significativa de publicidade – caso em questão, a próxima IPO da Arm – que pode ajudar a aumentar a consciência pública de uma empresa, promover os seus produtos e potencialmente aumentar a sua quota de mercado.

Tornar-se uma empresa cotada também proporciona liquidez aos acionistas existentes, que têm a opção de vender as suas ações no mercado público, o que não é possível enquanto a empresa for privada.

Como funciona o processo de uma IPO?

Para abrir o capital, uma empresa precisará de contratar os serviços de uma consultora, geralmente um banco de investimento, que liderará a maior parte do processo de IPO, cobrando uma grande taxa pelo seu serviço, que pode chegar a 7% do valor do capital total levantado.

A consultora ajudará a empresa a abrir o capital a decidir quantas novas ações emitir e também avaliará a empresa para decidir qual será o preço da IPO. Estes também têm a tarefa de divulgar a IPO, despertar o interesse de potenciais investidores institucionais e, em última instância, vender as ações. A IPO é a primeira oportunidade que investidores não privados terão de investir na empresa, no que é conhecido como mercado primário.

No entanto, muitas vezes, esta oportunidade de investir na IPO é limitada a investidores institucionais, outros bancos de investimento, hedge funds e clientes investidores de alto perfil. A maioria dos traders e investidores retalhistas terá, em vez disso, de esperar até depois da IPO para comprar ações, no que é conhecido como mercado secundário.

Como o termo indica, a consultora também assume um enorme risco em nome da empresa ao comprometer-se a comprar quaisquer ações que não sejam vendidas a outros investidores durante a IPO. Isto dá-lhes um incentivo para subvalorizarem as ações, algo que historicamente tem levado a um aumento do preço no início do trading no dia da IPO. Isso às vezes é chamado de “IPO pop”.

Porquê tanto alarido sobre a Arm?

As IPOs muitas vezes recebem uma cobertura bastante grande da imprensa, especialmente IPOs de muito dinheiro como a Arm, que aparentemente é avaliada pela empresa-mãe SoftBank em cerca de $64 biliões. No entanto, a Arm atraiu uma atenção particularmente grande, já que a sua IPO chega após uma pequena pausa no mercado de IPOs.

Após o “ano das IPOs” em 2021, um ano recorde em que um total de 2.682 IPOs em todo o mundo levantaram um total combinado de $608 mil milhões de dólares, o mercado de IPOs abrandou consideravelmente em 2022. Alguns ventos contrários na economia, incerteza global e falta de apetite dos investidores contribuiu para que o número de IPOs lançados em 2022 caísse drasticamente para 1.154. Entre estas, essas IPOs levantaram comparativamente uns modestos $173 mil milhões de dólares.

Especificamente nos EUA, onde a Arm deverá ser cotada na bolsa de valores Nasdaq, apenas 93 IPOs foram lançadas em 2022, angariando um total de 24 mil milhões de dólares. Isto representa uma queda em relação aos 1.115 IPOs do ano anterior, que arrecadaram um total de $346 mil milhões entre elas.

Embora ainda não seja certo quanta a IPO da Arm espera arrecadar, se a avaliação do SoftBank for precisa, a Arm deverá ser a empresa mais valiosa a concluir um IPO nos EUA por quase dois anos, quando a Rivian Automotive foi cotada com uma capitalização de mercado inicial de $70 mil milhões de dólares.

Consequentemente, é provável que outras empresas privadas interessadas em lançar elas próprias IPOs estejam atentas. Se a sua IPO for um sucesso, a Arm poderá dar o pontapé inicial no mercado de IPOs nos EUA.

O que esperar da IPO da Arm?

O SoftBank espera que esta IPO seja mais bem-sucedida do que sua tentativa anterior com a WeWork, um fiasco de investimento que custou biliões à empresa. Depois de não conseguir lançar uma IPO com sucesso em 2019, a WeWork acabou por abrir o seu capital através de um SPAC em 2021.

No final do primeiro dia de trading da WeWork, a sua capitalização de mercado era de cerca de $9 mil milhões de dólares. Hoje, é menos de $100 milhões e está próxima de um pedido de falência. No total, o SoftBank investiu mais de $10 mil milhões de dólares na sua participação de 46% na WeWork.

Então, vamos olhar para a Arm. A principal fonte de receitas da empresa sediada no Reino Unido provém do licenciamento de propriedade intelectual. Em vez de fabricar e vender os seus próprios chips, a Arm cobra dos fabricantes de chips uma taxa percentual pelo uso de seus designs de chips.

Estes designs podem ser encontrados em praticamente todos os smartphones do planeta, mercado no qual detém uma participação de mais de 99%. Incrível, sim. Mas quando uma empresa detém 99% do seu mercado, para onde vai a partir daí? Tal domínio também deixa a Arm fortemente exposta às flutuações no mercado de smartphones, um mercado que tem visto uma queda nas vendas nos últimos meses.

Além disso, os potenciais investidores têm estado preocupados com a exposição da Arm à China, uma região da qual depende cerca de 25% das receitas. Numa altura em que a relação entre Pequim e Washington está aparentemente a deteriorar-se e em que Washington começou a impor restrições às operações chinesas dos fabricantes de chips dos EUA, esta dependência da China poderá dissuadir os investidores.

Consequentemente, aqueles que consideram investir na Arm após a sua IPO podem querer abordar este investimento com cautela. Talvez seja prudente esperar e ver como o mercado reage à primeira IPO de grande sucesso nos EUA em quase dois anos.

Webinars sobre trading e investimento

Interessado em aprender mais sobre trading e investimento? Na Admirals, organizamos webinars regulares, onde pode interagir com traders especializados e aprender sobre uma ampla variedade de tópicos. Clique no banner abaixo para ver a próxima programação:

Webinars grátis sobre trading

Acompanhe os webinars ao vivo hospedados pelos nossos especialistas em negociação

Fontes externas

PWC – Global IPO Watch 2021
PWC - Global IPO Watch 2022

Este material não contém e não deve ser interpretado como conselhos de investimento, recomendações de investimento, oferta ou solicitação de quaisquer transações em instrumentos financeiros. Observe que esta análise de trading não é um indicador confiável para qualquer desempenho atual ou futuro, pois as circunstâncias podem mudar com o tempo. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, deve procurar aconselhamento de consultores financeiros independentes para garantir que compreende os riscos.

Roberto Rivero
Roberto Rivero Escritor Financeiro, Admirals, Londres

Roberto passou 11 anos a projetar sistemas de trading e tomada de decisão para traders e gestores de fundos e mais 13 anos na S&P, a trabalhar com investidores profissionais.