O que vão mostrar os relatórios do PIB dos EUA e Reino Unido?

Junho 28, 2023 21:30

Os relatórios do PIB dos EUA e do Reino Unido estarão na vanguarda das notícias financeiras até ao final desta semana. Estes relatórios são levados em consideração pelos formuladores de política monetária do banco central quando se trata de ajustar as suas políticas monetárias.

O economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), Philip Lane, disse que “teremos um período sustentado em que as taxas precisam de permanecer restritivas para garantir que não tenhamos nenhum novo choque que nos afaste do objetivo dos 2% e que a durabilidade da restritividade seja muito importante." Comentando sobre a possibilidade de cortes nas taxas, Lane observou que não prevê cortes rápidos nas taxas nos próximos dois anos.

Relatório do PIB do primeiro trimestre de 2023 nos EUA

A economia norte-americana deverá apresentar um crescimento anual de 1,3% no primeiro trimestre do ano, de acordo com as previsões dos analistas de mercado. Enquanto os economistas esperam que o relatório do Bureau of Economic Analysis (BEA) dos EUA confirme os números na quinta-feira, a economia dos EUA luta para encontrar o seu caminho, afetada por fatores como aumento das taxas de juro, inflação e um mercado de trabalho bastante forte.

Os analistas do HSBC escreveram no seu relatório que “os EUA entrarão em recessão no quarto trimestre, seguido por um “ano de contração e uma recessão europeia em 2024”.

Pelo contrário, os analistas do BofA parecem reconhecer a resiliência da economia, levando-os a antecipar atualizações positivas significativas do PIB dos EUA. Espera-se que a terceira estimativa do PIB do segundo trimestre seja atualizada significativamente para 1,8% em uma taxa anual ajustada sazonalmente com base trimestral, impulsionada pelos gastos com construção residencial e não residencial, como sugerem no relatório.

Relatório do PIB do primeiro trimestre de 2023 no Reino Unido

O Office for National Statistics (ONS) publicará o seu relatório do PIB para o primeiro trimestre de 2023. Analistas de mercado sugerem que a economia do Reino Unido cresceu 0,1% trimestralmente. Os economistas antecipam uma taxa de crescimento anual de 0,2%.

Os analistas do Wells Fargo referem no seu relatório: “Com o Banco da Inglaterra definido para aumentar ainda mais as taxas, esperamos que a economia do Reino Unido fique sob pressão renovada até o final de 2023 e esperamos que o crescimento estagne ou mesmo que a economia se contraia”.

Em contraste com a previsão do Wells Fargo, os economistas do Economics Observatory sugeriram que “a nossa previsão atualizada de crescimento de 0,1% no segundo trimestre é consistente com a visão de que o crescimento do PIB permanecerá próximo de zero em 2023”.

Taxa de desemprego da zona do euro inalterada em maio?

O Eurostat divulgará o seu relatório de taxa de desemprego de maio. Economistas prevêem que o desemprego da zona do euro permanecerá inalterado em 6,5%. Um relatório da EY refere que “a zona do euro entrou oficialmente em recessão no primeiro trimestre de 2023 e, embora a desaceleração seja muito superficial e de curta duração, os mercados europeus continuam a enfrentar uma alta taxa de inflação e um aumento sem precedentes nas taxas de juro”.

Um relatório da Reuters publicado a 23 de junho indica que “a atividade económica está fraca e o BCE claramente falhou no seu objetivo de apertar a política apenas o suficiente para conter as pressões de preços sem levar o bloco económico a uma recessão. Outra questão é que uma recessão normalmente aumentaria o desemprego, facilitando o trabalho do banco. Mas as empresas parecem estar acumulando mão de obra, lembrando profundamente como foi difícil contratar trabalhadores de volta após a pandemia e assim oferecendo pouco alívio ao BCE”.

IPC de Tóquio sobe em junho?

O relatório de inflação do IPC de Tóquio (Japão) para junho será publicado pelo Bureau de Estatísticas do país nesta quinta-feira. Analistas prevêem que a inflação chegará a 3,8% anuais, acima dos 3,2% registados em maio. O índice de preços do consumidor (IPC) nacional, que exclui alimentos frescos, mas inclui itens de energia, subiu 3,2% em maio na comparação anual, desacelerando de 3,4% em abril, mas superando as previsões de mercado para um aumento de 3,1%.

O número é muito maior do que a meta de inflação do Banco do Japão de 2%. Economistas da Moody's Analytics observaram que “embora as pressões sobre os preços estejam aumentando, a inflação continua predominantemente impulsionada pela oferta. Com uma economia ainda menor do que antes da pandemia, os ajustes nas políticas ainda estão distantes.”

Vendas a retalho de maio na Austrália

O Australian Bureau of Statistics (ABS) vai anunciar os dados de vendas no retalho na manhã de quinta-feira. Analistas de mercado sugerem que as vendas em maio no retalho subiram 0,1% mensalmente, ganhando pouco terreno em comparação com o valor zero de abril. Alguns analistas sugerem que vários retalhistas australianos tiveram uma queda de 20 a 30% nas vendas no ano passado.

O conselho do Reserve Bank of Australia (RBA) irá reunir-se na próxima semana e espera-se que mantenha as taxas de juro inalteradas. Se isso acontecer, será a segunda pausa do RBA no atual ciclo de aumento da taxa de juro, que viu o banco aumentar a sua taxa de caixa oficial em 4% nos últimos 13 meses.

Tem interesse em operar com base em notícias macroeconómicas? Saiba como esta abordagem funciona com os nossos webinars gratuitos. Conheça e interaja com traders especializados. Assista e aprenda com as sessões de trading em direto.

Webinars grátis sobre trading

Acompanhe os webinars ao vivo hospedados pelos nossos especialistas em negociação

Este material não contém e não deve ser interpretado como conselhos de investimento, recomendações de investimento, oferta ou solicitação de quaisquer transações em instrumentos financeiros. Observe que esta análise de trading não é um indicador confiável para qualquer desempenho atual ou futuro, pois as circunstâncias podem mudar com o tempo. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, deve procurar aconselhamento de consultores financeiros independentes para garantir que compreende os riscos.

Miltos Skemperis
Miltos Skemperis Redator de conteúdo financeiro

Miltos Skemperis tem formação em jornalismo e gestão empresarial. Trabalhou como repórter em vários canais de notícias de televisão e jornais, e tem 7 anos de experiência na redação de conteúdo financeiro.