Inflação do IPC do Reino Unido em destaque, PBoC corta taxas

Junho 20, 2023 22:23

O relatório de inflação IPC do Reino Unido, que será divulgado na quarta-feira, estará entre os lançamentos financeiros mais importantes no início da semana. Com a decisão sobre a taxa de juro do Banco de Inglaterra prevista para quinta-feira, espera-se que o relatório seja analisado por analistas de mercado.

O Banco Popular da China (PBoC) avançou com o relaxamento da sua política monetária, como a maioria dos economistas esperava. Na Europa, alguns formuladores de políticas do Banco Central Europeu (BCE) enfatizaram que o banco central da zona do euro não se deve abster de elevar os custos de empréstimos novamente no próximo mês.

Relatório de Inflação do IPC do Reino Unido em maio

No início da manhã de quarta-feira, os analistas de mercado terão a oportunidade de examinar os dados de inflação IPC do Reino Unido divulgados pelo Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS). Os economistas prevêem que a inflação do IPC em maio chegará a 8,5% na comparação anual. Se a previsão se confirmar, isso significaria que a inflação caiu 0,2% em relação ao valor de abril.

O conselho do Banco da Inglaterra espera que a inflação caia para 5% até o final de 2023, enquanto os seus analistas antecipam que o crescimento dos preços ao consumidor atinja a meta de 2% do banco até o final de 2024. De notar que na quinta-feira o conselho do BoE anunciará a sua decisão sobre a taxa de juro com os economistas a sugerir que mais apertos na política monetária pode estar a caminho.

Decisão da taxa do PBoC da China

O conselho de administração do PBoC cortou a taxa base de juro de empréstimos de um ano em 10 pontos base, de 3,65% para 3,55%, e cortou a taxa base de juro de empréstimos de cinco anos em 10 pontos base, de 4,3% para 4,2% — pela primeira vez nos últimos dez meses.

A mudança na política monetária do banco central chinês foi antecipada pelos economistas, pois conjuntos recentes de dados financeiros mostraram que a economia local luta para ganhar ritmo.

Vendas no retalho do Canadá aumentam em abril?

Na quarta-feira, o Statistics Canada irá partilhar informações sobre as vendas no retalho do país em abril. Economistas sugerem que as vendas no retalho em todo o país aumentaram 0,2% em abril na comparação mensal, voltando ao território positivo após registar uma queda de 1,4% em março.

O Conference Board of Canada (CBoC) publicou um relatório há alguns dias observando que o seu índice de gastos do consumidor mostrou uma queda nas compras na primeira semana de abril, mas um crescimento constante no restante mês. A pesquisa do CBoC mencionou que “o aumento geral pode indicar que as pessoas acreditam que as influências sobre os encargos financeiros, como o aumento das taxas de juro, atingiram o pico, permitindo que se comprometam mais com a compra do que com a poupança”.

Deve-se notar que, embora o Banco do Canadá (BoC) tenha prometido interromper os seus planos de política de aperto monetário, foi forçado a aumentar as taxas de juro no início do mês, quando os relatórios de dados mostraram que a economia estava superaquecida.

Autoridades do BCE comentam sobre custos de empréstimos

Dois dos formuladores de políticas do BCE sugeriram que aumentar os custos dos empréstimos seria apropriado com base nos últimos relatórios de dados financeiros.

Isabel Schnabel disse que “o fato de termos subestimado a persistência da inflação no ano passado aumenta a probabilidade de estarmos subestimando a inflação hoje. Portanto, precisamos de continuar a aumentar as taxas de juro até vermos evidências convincentes de que a evolução da inflação subjacente seja consistente com um retorno da inflação plena ao objetivo de 2%.”

Peter Kazimir, outro membro do conselho do BCE, observou que interromper os aumentos de juros muito cedo representaria um risco muito mais significativo do que o aperto excessivo. Kazimir também disse que “os riscos de alta da inflação ainda são substanciais, ligados ao mercado de trabalho, preços dos alimentos, margens de lucro”.

Goldman Sachs cortou nas suas projeções para o PIB da China

O Goldman Sachs (GS), um dos maiores bancos de investimento do mundo, anunciou que cortou na sua previsão em relação à taxa de crescimento do PIB da China em 2023. Os analistas do GS reduziram a perspectiva de crescimento de 6,0% para 5,4%, sugerindo que mais turbulência econômica pode estar a caminho.

A nota do GS mencionou: “Com o impulso da reabertura a desaparecer rapidamente, os desafios de médio prazo, como demografia, a desaceleração imobiliária de vários anos, problemas de dívida implícita do governo local e tensões geopolíticas podem começar a tornar-se mais importantes nas perspectivas de crescimento da China”.

Tem interesse em operar com base em notícias macroeconómicas? Saiba como esta abordagem funciona com os nossos webinars gratuitos. Conheça e interaja com traders especializados. Assista e aprenda com as sessões de trading em direto.

Webinars grátis sobre trading

Acompanhe os webinars ao vivo hospedados pelos nossos especialistas em negociação

Este material não contém e não deve ser interpretado como conselhos de investimento, recomendações de investimento, oferta ou solicitação de quaisquer transações em instrumentos financeiros. Observe que esta análise de trading não é um indicador confiável para qualquer desempenho atual ou futuro, pois as circunstâncias podem mudar com o tempo. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, deve procurar aconselhamento de consultores financeiros independentes para garantir que compreende os riscos.

Miltos Skemperis
Miltos Skemperis Redator de conteúdo financeiro

Miltos Skemperis tem formação em jornalismo e gestão empresarial. Trabalhou como repórter em vários canais de notícias de televisão e jornais, e tem 7 anos de experiência na redação de conteúdo financeiro.